Genocídio no Timor Leste

menino timorenseAlguns filmes que vemos vêm para mudar nossa visão de mundo, pelo menos foi isso que aconteceu comigo quando assisti ao melhor filme de 2005, refiro-me ao Hotel Ruanda. Quem ainda não teve a oportunidade de vê-lo, deve correr deseperadamente à locadora,  agarrar o filme e se preparar emocionalmente para a porrada que vai levar. Isso porque o enredo é sobre a guerra civil de Ruanda após a retirada do governo Belga, deixando um país retalhado para sangrentas disputas étnicas. Para quem sabe do que estou falando, é impossível continuar vivendo impassível com atos sanguinários acontecendo no planeta e nós aqui, no recanto, nos esconderijos de nossos lares girando o copo de whiskey escutando o tilintar dos gelos. Para piorar tudo isso não há um pingo de informação nos “melhores jornais do país” sobre esse genocídio. Ao menos foi isso que senti quando vi o filme, essa imensa ignorância em relação ao mundo, especialmente quanto a esse mundo “não civilizado” que nossos professores nos passaram, como África – que é só um imenso continente – ou você consegue citar meia dúzia de países e suas respectivas capitais? e como o Oriente muçulmano. Por exemplo, você já ouviu falar em Timor Leste, pois é, uma das ilhotas do arquipélago da Indonésia, por sinal esse país, depois de colonização portuguesa, foi dominado pelas mãos de ferro do general Suharto, lembra-se?

            A questão é que, com o fim de guerra fria, os povos se viram sem seus cabrestos ideológicos e acordaram de um dia para o outro pobres e vivendo com um povo estranho, isso porque os recortes que as potências européias imprimiram nessas colônias incluiam diversos grupos etnicolingüísticos sob uma falsa bandeira nacional.

            Nesta semana vi fotos horrendas de Dili, capital do Timor Leste, nos jornais, elas traziam homens com os rostos enrolados a trapos, levando às mãos facões ou pedaços de paus, realidade que só me chegara antes com o filme Hotel Ruanda.

            Como fui omisso em relação ao episódio ruandense, não posso perder essa chance de me manifestar sobre o massacre que ocorre neste momento. Ainda mais que nossa chance de ajudá-los é muito mais significativa já que é uma nação lusófona, ao menos parcela dessa população. Mesmo assim nosso país pouco fez sobre o fato e os irmãos portugueses já enviaram algumas tropas, de paz, é claro, na tentativa de reinstituir o governo democrático, mas será esse o caminho?

            O país, para se ter uma idéia, possui 700 mil habitantes e entre 15 e 30 grupos etnicolingüísticos, situação inimaginável para nós, o máximo que entendemos sobre isso é das lições de geografia quando estudamos a estranha Suiça e seus quatro grupos lingüísticos. Isso porque o nosso sistema, a democracia ocidental, não se encaixa a essa realidade, é impossível colocar num mesmo saco de gatos tantas diferenças, tantos povos. A democracia não é a única nem muito menos a melhor solução. Quando é que os terráqueos vão acordar para isso.

One Response to Genocídio no Timor Leste

  1. angelica says:

    Nossa Ronaldo, desse jeito você me deixa curiosa!!!!! Quero levar essa porrada logo, não vejo a hora, hehehehehehe.

    Assisti Moça com brinco de pérola, simplismete brilhante, infelizmente filmes com esses não são reconhecidos, afinal para que serve?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: